terça-feira, dezembro 25, 2007

Feliz Natal



A imagem é bastante má, a música faz-me regressar aos tempos de infância, quando ouvia esta e outras cantigas de Natal enquanto fazia o presépio e colocava, junto às palhinhas do Menino Jesus, os cordeiros mais pequeninos do imenso rebanho de barro. Era uma das minhas músicas preferidas, e tem a imensa vantagem relativamente a outras de lembrar o que se comemora nestes dias: o nascimento de Jesus.
Um Feliz Natal para todos. Feliz, acima de tudo, nos nossos corações.

terça-feira, dezembro 11, 2007

Mais cenas da vida com um cão

Entramos em casa. Vejo, na cozinha, o caixote de lixo aberto. No chão, três manchas e uns restos de ossos. Sobre o tapete da sala, outros vestígios de que algo inusitado se passara. No cesto do (único) suspeito, a prova do crime: um belo osso de anca de perú. Perante a acusação, o culpado não tentou desculpar-se e recolheu ao cesto, cabisbaixo. Nós escondemos a vontade de rir até ele cumprir o castigo.

quinta-feira, novembro 29, 2007

Pequeno desabafo

Gostava de não me sentir tão cansada. De me sentar diante do computador e ser capaz de trabalhar, como tanto preciso de fazer, em lugar de os olhos se recusarem a fixar-se no écran e pedirem descanso.

terça-feira, novembro 20, 2007

Para ti

Hoje queria um dia azul, livre, só para estar contigo. Não tenho o dia livre, não está um céu azul, não estou só contigo. Mas o dia é teu, na mesma. Como todos os meus dias passaram a ser teus, e os teus passaram a ser meus. Este em especial: muitos parabéns.

sexta-feira, novembro 16, 2007

quarta-feira, novembro 14, 2007

Justiça árabe

Ler esta notícia revoltou-me até às entranhas.
O caso pode-se resumir a isto: uma mulher saudita foi violada por um grupo de assaltantes que se aproximou do carro onde ela estava com um homem. A vítima foi condenada a 90 vergastadas por estar num carro sozinha com um homem com quem não era casada. Tendo apelado da sentença, viu-a agravada, acabando condenada a 6 meses de prisão e a 200 chicotadas.
Não, não me peçam respeito pela cultura, tradição e sei lá que mais de um povo que julga assim uma mulher.

segunda-feira, novembro 05, 2007

sexta-feira, outubro 26, 2007

Blogs solidários


Quebro sempre correntes que me cheguem por mail, blog ou outra via. Refiro esta apenas para agradecer ao Cap a minha nomeação como blogger solidária. Mas, fiel à minha embirração por cadeias, não nomeio outros blogs - passo o testemunho remetendo para Mumemo, de novo (como mais alguém já fez, aliás; obrigada pela divulgação!). Mais informações que me chegaram entretanto dizem-me que a Irmã Susana integrou na creche muitas crianças novas que ainda não têm padrinhos, e precisam de apoio, pois são meninos órfãos ou cujas famílias vivem com imensas dificuldades.
Ser padrinho custa pouco. Bastam 130€ por ano (dedutíveis para efeitos de IRS) para garantir a comida e o vestuário de um menino de Mumemo, e até o seu alojamento se for necessário. Podem associar-se várias pessoas para apadrinhar uma mesma criança, dividindo-se assim a despesa. Veja como fazê-lo aqui.

domingo, outubro 21, 2007

Notícias de Mumemo

Nestes anos de blogosfera, houve muitos momentos fortes e tocantes. Um dos mais especiais foi um projecto de solidariedade, o Proximizade, que me deu a conhecer a Apoiar e Mumemo.
O Proximizade acabou, mas as necessidades de Mumemo não. Por isso, deixo aqui as notícias e as fotos que acabam de me chegar desse cantinho de Moçambique.



Foi em 2005 que tomei conhecimento desta instituição. Desde então, o centro infantil Madre Maria Clara aumentou o número de crianças que acolhe de 110 para 350, e, como as fotografias mostram, já não se vêem barrigas inchadas e olhos tristes, mas caras alegres e saudáveis de meninos bem alimentados. 200 deles frequentam as aulas na creche e os 150 mais velhos andam na escola primária do ensino oficial. A creche dá de comer a todos e conta agora com 12 educadoras, 1 senhora para limpeza, 1 cozinheira e 1 ajudante.
O dinheiro enviado pelos padrinhos cobre as despesas de alimentação, vestuário e fardas das crianças e o pagamento de ordenados do pessoal, dando também para sustentar o lar de órfãos recentemente inaugurado, onde já habitam 45 crianças.
Os links estão no post, sigam-nos e colaborem. Há crianças que agradecem.

segunda-feira, outubro 15, 2007

Fourty something

Com os 40, as maleitas aparecem mesmo. Ele é o colesterol que nunca se tinha manifestado, as varizes que surgem que nem cogumelos depois da chuva, as noitadas que deixam sequelas, as digestões difíceis do que dantes nem se dava por se ter comido, as costas que doem, a coluna que entorta... Se calhar, é a maneira de o nosso corpo nos obrigar a dar-lhe atenção e a diminuir a quantidade de parvoeiras que exigimos dele anos a fio. Mas não tem piada, seja como for. Custa sentir que se está a deixar de ser jovem. (Assim, "está a deixar"; porque "deixou" faz sentir ainda pior; mesmo não tendo eu nem metade das mazelas acima indicadas).

quinta-feira, outubro 04, 2007

quarta-feira, outubro 03, 2007

Duas notícias

Nos últimos dias, duas notícias chocaram-me especialmente. A total falta de tempo adiou a referência a elas; aqui ficam agora.

Uma, a de uma bomba que explodiu no exacto sítio onde estive menos de um mês antes, no Parque do Sultão, na capital das Maldivas, ferindo turistas que ali estavam como nós estivemos, felizes e despreocupados numas férias que prometiam ser paradisíacas - as nossas foram-no, as deles ficaram ensanguentadas por um atentado bombista. Um casal inglês em lua-de-mel ficou com queimaduras em grande parte do corpo. Podiamos ter sido nós.

A outra, a do que se passa na Birmânia. A força de um exército contra manifestantes pacíficos, a suspeita da morte de mais um milhar de pessoas, sobretudo monges. Mas a Birmânia fica longe, não está no centro das atenções, nem creio que tenha petróleo ou outros recursos que importem...

quinta-feira, setembro 27, 2007

Notável

Consegui chegar até hoje sem ouvir nenhum dos candidatos à liderança do PSD dizer o que quer que seja.

quarta-feira, setembro 26, 2007

Erros imperdoáveis

Costumo ler o DN e o Público on-line. Os pontapés à ortografia e as gralhas acumulam-se de uma forma espantosa. Hoje, na notícia do DN (não assinada) sobre a fotografia de uma menina loura em Marrocos que a Interpol está a analisar, por duas vezes se confunde "à" com "há".

terça-feira, setembro 25, 2007

Annie's song

You fill up my senses like a night in a forest
Like the mountains in springtime, like a walk in the rain
Like a storm in the desert, like a sleepy blue ocean
You fill up my senses, come fill me again.

Come let me love you, let me give my life to you
Let me drown in your laughter, let me die in your arms
Let me lay down beside you, let me always be with you
Come let me love you, come love me again.

You fill up my senses like a night in a forest
Like the mountains in springtime, like a walk in the rain
Like a storm in the desert, like a sleepy blue ocean
You fill up my senses, come fill me again.

John Denver

sábado, setembro 22, 2007

Reflexões ao final de uma tarde de sol

É curioso como bastam certos sons ou cheiros para o passado se fazer presente. Os risos, gritos e sons de bolas a bater nas balizas que entram pela varanda aberta evocam as imensas horas de trabalho sentada a esta secretária, nesta casa que deixou de ser o meu lar e onde só volto de passagem. Engraçado: são recordações felizes, apesar de esses tempos não poderem ser considerados como tal. O crivo da memória guardou apenas o lado bom? Talvez, mas não só. Acho que passa pela reconciliação com o passado, que permite voltar a ele sem mágoa e ver o melhor que teve; olhar para o passado sem filtros nem cor-de-rosa, nem negros.

quinta-feira, setembro 20, 2007

Pontes de Paris


(foto daqui)

Sous le pont Mirabeau coule la Seine
Et nos amours
Faut-il qu'il m'en souvienne
La joie venait toujours après la peine.

Vienne la nuit sonne l'heure
Les jours s'en vont je demeure...

G. Apollinaire, Alcools (1912)

quarta-feira, setembro 19, 2007

Fotos de férias (3)

Mar habitado por golfinhos que brincam às escondidas com a máquina fotográfica.

sábado, setembro 15, 2007

Fotos de férias (2)


Outro mar, noutras paragens.

quinta-feira, setembro 13, 2007

Fotos de férias (1)




O mar, algures numa praia algarvia quase deserta, num final de tarde de Agosto.

sábado, setembro 08, 2007

sábado, agosto 25, 2007

quinta-feira, julho 26, 2007

Políticas de incentivo à natalidade

Cálculo do que vou gastar em livros escolares no próximo ano lectivo: 200€. Fora cadernos, lápis, esferográficas, borrachas, afiadeiras, etc, etc, etc.

sexta-feira, julho 20, 2007

Para mais tarde recordar

Os três e o cão no campo de jogos. Ele na trotinete, com o cão atrás. Elas nos patins, a amiga a ensinar a minha filha a andar sobre rodas. Equipada com joelheiras, cotoveleiras e capacete (mas sem protecção traseira, que faz falta), ainda se desequilibra, mas está feliz a aprender. Os trambolhões de ontem não a fizeram desistir. Ouço os gritos contentes que me chegam pela janela aberta. Sorrio e penso no tempo que já passou desde os primeiros "momentos Kodak" que deixei registados em blog.

quarta-feira, julho 11, 2007

Coisas que a gente aprende...

... ao consultar a cronologia dos reis de Portugal nas Páginas Oficiais da Casa Real Portuguesa.
Nunca soube os cognomes dos reis da 4ª Dinastia. Fiquei a saber que o D. Pedro II foi "o pacífico", D. Pedro IV "o rei soldado", D. Miguel "o tradicionalista", D. Carlos "o martirizado", e que o pobre D. Manuel II, não lhe bastasse já ter sido deposto e mandado para o exílio, levou com a piroseira de "o rei saudade".

quinta-feira, junho 21, 2007

1,1%

Uma parte dessa pequeníssima percentagem de alunos com Muito Bom na prova de aferição de Português do 6º ano mora aqui.
(Sim, estou orgulhosa, e não resisti a deixar esta nota. Acho que quem a ler perdoará e compreenderá a minha vaidade.)

domingo, junho 10, 2007

quarta-feira, maio 16, 2007

Harmonia

Segundo o Priberam:

s.f.
conjunto agradável de vários sons; arte, ciência de dispor os acordes; acordo perfeito entre várias partes de um todo; coerência; simetria; regularidade; suavidade e sonoridade de estilo.

fig.
paz, entre as pessoas; entendimento; concordância, conformidade.

quinta-feira, maio 10, 2007

Só para tirar o post de baixo

Estou farta de ver aqui o post de baixo. Se bem que se mantém actual: nada foi devidamente esclarecido. Por isso, escrevo umas linhas. Mas não tenho tempo para blogar - não tenho tempo nenhum. Ou falaria do nó no estômago que tenho a cada vez que penso no que sentirão os pais da menina desaparecida. Do vómito que me dão as notícias (notícias?) histéricas sobre o assunto. Da minha filha que aqui ao lado, na cozinha, faz panquecas sozinha. Da Primavera exuberante que, de repente, irrompeu no terreno em frente a casa, enchendo o baldio de flores. De um pé amolgado. De um cão deitado aos meus pés. Da multiplicação da roupa para lavar e pôr a secar. Do eterno agradecimento que me merece o inventor da máquina de lavar roupa.
Mas não tenho tempo. E o blog fica assim, ao abandono. Pelo menos, sem o post anterior no topo.

quarta-feira, abril 18, 2007

Dias perplexos

Não consigo perceber nada deste folhetim que já fede dos percursos académicos do nosso PM. Acompanho a questão com os olhos arregalados de espanto. Ando perplexa com este país de opereta onde não sei por que carga de água nasci.

quarta-feira, abril 04, 2007

Mais dias calados

Páscoa Feliz para todos - a minha será longe da rotina, do computador, daqui.

domingo, março 25, 2007

Os grandes portugueses

Este concurso é absolutamente idiota. Comparar Aristides de Sousa Mendes com D. Afonso Henriques não faz o menor sentido, e fazer documentários a tentar provar que cada um dos candidatos é melhor do que o outro é no mínimo imbecil.
Se aproveitassem a ideia do concurso para fazer bons programas sobre figuras importantes da nossa história, objectivos e não apologéticos, podia ser interessante e educativo. Assim, não.

quinta-feira, março 22, 2007

Sobre engenheiros e doutores

O meu ex-marido era licenciado numa área de Ciências em que existe o curso de engenharia. Várias pessoas o tratavam por "sr. engenheiro", coisa que ele corrigia imediatamente, pois o título a que tinha direito como licenciado era o de "sr. dr.".
José Sócrates, sendo possuidor de uma licenciatura, tem o direito (creio eu) a ser chamado "sr. dr.". Não pode é ser chamado "sr. engenheiro" sem estar inscrito na ordem dos engenheiros. Não foi agora, por certo, que o descobriu. Nem foi por certo ingenuamente que se deixou tratar dessa forma ao longo dos anos. O título de engenheiro é um bom cartão de visita, neste nosso país, mas não deve ser usado por quem não o possui. Sobretudo quando se é primeiro-ministro.

Cenas da vida de um cão de família

Há meses que não faz chichis fora do sítio, e a porta do meu quarto passou a estar aberta com mais frequência. Quando dá por ela, entra e instala-se. O fundo da cama é o seu local predilecto.

Quando comemos, salta para a cadeira vaga, coloca a ponta do focinho em cima da mesa e observa. Lambe os beiços, olha-nos com ar esperançoso, mas não pede nada: observa. No final da refeição, salta para o chão e vai comer a sua comida.

Lança-nos olhares ofendidos quando é hora de ir dormir e lhe vedamos o acesso à zona dos quartos. Por vezes fica a ganir, sobretudo quando percebe que ainda estamos acordados e não o deixamos estar connosco. De manhã, recebe-nos em júbilo, pulando como uma bola peluda feliz.

quinta-feira, março 15, 2007

quarta-feira, março 14, 2007

segunda-feira, março 05, 2007

Amor em paz

Hoje tive uma boa surpresa, ao abrir o Memória Virtual e descobrir uma das músicas de que mais gosto: Amor em paz, na voz da Paula Morelenbaum. Há quanto tempo a não ouvia! Obrigada, Leonel :-)

Sapices

Não há como ficar com um Sapo sem pio para ter vontade de postar.
(E para ter vontade de mudar de fornecedor de net, já agora também).

terça-feira, fevereiro 27, 2007

Desoras e aniversários

Continuando o post anterior: há coisas que só como coruja fazia. Por exemplo, escrever no blog. Suspeito que, se fizesse um estudo estatístico das horas a que já postei, o serão e a madrugada ganhariam com larga vantagem. Aliás, o meu primeiro post foi escrito a desoras, mais precisamente às 2h53. No dia 18 de Fevereiro de 2004, fez há dias três anos sem que eu desse por ela - assim ando eu, tão pouco atenta ao mundo blogosférico que esqueço uma data muito mais marcante do que alguma vez eu poderia ter pensado quando me apeteceu ter um blog.
A todos quantos tiveram a pachorra de me aturar ao longo de todo este tempo, e que continuam a vir aqui espreitar apesar do pouco que escrevo agora, muito obrigada!

segunda-feira, fevereiro 26, 2007

Oceano Pacífico

A cada vez que tenho o rádio sintonizado na RFM e ouço o genérico do Oceano Pacífico, sorrio. Recordo longos serões a estudar para as frequências. Horas e horas em torno de folhas e livros, acompanhada pelas músicas calmas de um programa tranquilo. Vinte anos depois, o programa continua igual - e eu continuo a passar serões rodeada de livros e folhas. Apesar de as noitadas terem terminado e a coruja em que me tinha transformado ter sido substituída por um pássaro (demasiado) madrugador.

quarta-feira, fevereiro 14, 2007

S. Valentim



Porque "each day is valentines day"...

terça-feira, fevereiro 13, 2007

Crescer

Hoje quem fez o almoço foi a minha filha. É giro!

quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Não

No dia 11, voto “não” no referendo.
Não, não considero o aborto um direito da mulher.
Não, não quero que o aborto seja livre a pedido da mulher, sem razões ponderosas que o justifiquem e que já estão, a meu ver, contempladas na actual lei.
Não, não percebo o limite das 10 semanas previstas na pergunta que nos é colocada no referendo. 10 semanas desde a data da última menstruação? 10 semanas de gravidez efectiva? Porquê 10 semanas, em qualquer dos casos? Ainda não consegui encontrar razões científicas que justifiquem a escolha desse prazo. Aliás, no anterior referendo não se pugnava por um limite de 12 semanas? Porquê o recuo para menos duas semanas?
Não, não percebo a lógica de considerar que o “sim” à pergunta do referendo resolverá o problema do aborto clandestino em Portugal. Às 11 semanas um aborto continuará a constituir um crime pelo qual a mulher deverá ser punida: desejam os apoiantes do “sim” que a mulher que o faça vá para a prisão? Diz a pergunta que ela só poderá abortar em estabelecimento de saúde autorizado – e se o fizer no vão da escada, ainda que dentro do prazo das 10 semanas, irá a julgamento e será presa e isso será aplaudido?
Não, não sou insensível aos problemas sociais que o aborto envolve. Sou até por demais sensível ao que defende, por exemplo, a Drª Maria de Belém Roseira e ao argumento de que só trazendo o aborto para a legalidade é que se pode atacá-lo, criando um sistema de apoio às mulheres que passará por esclarecimentos, consultas, etc. Mas não sei se um tal sistema será implementado em Portugal (o governo faz contas sobre quanto custariam os abortos e quantos se poderiam fazer, mas não abre a boca sobre o que pretende verdadeiramente implementar caso vença o “sim”).
Não, não percebo porque é que, com a actual lei (tão parecida com a espanhola) não existe um tipo de apoio à mulher grávida em situação de tal forma complicada que não veja como pode levar em frente a gravidez – não se enquadrará isso dentro do que na lei está previsto de danos para a saúde física ou psíquica da mulher? Não será possível melhorar a lei existente, melhorar a sua aplicação, sem se liberalizar o aborto a pedido como agora se pretende?
Resumindo e concluindo: não, não consigo olhar para a questão do aborto apenas do lado da mulher que não deseja a gravidez. Vejo também o das crianças que não chegarão a nascer e que são vida humana, única e irrepetível. E está dentro de mim, escrito a letras indeléveis, “Não matarás”.
Perguntam-me no referendo: “Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras 10 semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?” Eu, em consciência (e depois de muito pensar, repensar, ouvir, discutir, pesar todos os argumentos), só posso responder que não, não concordo.

quinta-feira, fevereiro 01, 2007

12 anos



144 meses
4382 dias
105168 horas

Todos esses meses, todos esses dias, todas essas horas foram passadas contigo no coração. Muitos parabéns, filha querida! E que eu saiba e possa continuar a estar ao teu lado e a ajudar-te a teres força nas asas que começas a saber usar sozinha, para que voes bem alto e eu te veja e me orgulhe sempre de ti.

terça-feira, janeiro 30, 2007

Donos precisam-se

Acabo de receber dois mails a pedir donos para uma ninhada de cachorrinhos encontrados na rua com a mãe, assim como para uma cadelinha rottweiller de dez meses cuja dona tem de deixar por ir viver para o estrangeiro e que é meiga, obediente e está habituada a viver num apartamento.
Ficam as fotos dos rafeiritos e da mãe (não consigo publicar as fotos da cadelinha, quem quiser pode pedir-mas por mail nos comentários) e os contactos para o caso de alguém se interessar.
Para os rafeiritos: 939314939 ou 966611919
Para a cadelinha: 919273181





quarta-feira, janeiro 24, 2007

Momento notável

O meu teimosíssimo cão obedeceu, sem ser necessário repetir uma dúzia de vezes nem dar-lhe uma pequena ajuda, à ordem "Deita". Por três vezes.

quinta-feira, janeiro 18, 2007

Coisas pouco comuns

Um motorista de táxi com o rádio sintonizado na Antena 2.

quarta-feira, janeiro 17, 2007

Para mais tarde recordar

Vejo-a da janela. Corre com o cão ao lado pelo jardim, felizes os dois. Está grande, a minha pequenina, praticamente tão alta como eu. Quando a abraço, já não tenho de me dobrar sobre ela; pelo contrário, é ela quem dobra o pescoço para apoiar a cabeça no meu ombro. O seu corpo é já o de uma mulherzinha.
Corre com o cabelo ao vento, feliz. Vejo-a da janela e verifico, uma vez mais, que não dei pelo passar do tempo.

segunda-feira, janeiro 15, 2007

Ocasiões em que gostava de não ter (bom) olfacto

Dentro de um expresso da rodoviária atulhado de gente, e com um vizinho de banco enorme e... mal cheiroso.

sábado, janeiro 13, 2007

Primeiro contam-se as semanas, até se chegar a um mês. Passa-se então a contar os meses, até ao ano. De seguida, esquecem-se as contagens, recordam-se quando muito os meios anos. Não por deixar de haver motivos de celebração. Talvez por se ter atingido uma espécie de velocidade de cruzeiro?

quarta-feira, janeiro 10, 2007

TLEBS

Tenho acompanhado com a atenção possível e muita apreensão o que se tem escrito sobre a TLEBS. A apreensão aumenta depois de ler o último post do Francisco José Viegas sobre o assunto.
Quando eu andava na escola, aprendi uma gramática esquisita, em que havia sintagmas e diagramas que pareciam árvores. Nunca me serviu de nada para escrever ou interpretar melhor um texto. Não me ajudou a compreender melhor o funcionamento da língua; acho que apenas me serviu para me enfadar.
O que me serviu, e de muito, foi a gramática tradicional, que aprendia, em simultâneo, nas aulas de francês fora do ensino oficial. Aí sim, aprofundei o que tinha começado a ser ministrado na escola primária (feita até à 3ª classe antes do 25/4, note-se); sabia quais as funções das palavras nas frases, sabia dividir orações, etc, etc, etc. Sem isso, não teria aprendido francês correctamente nem teria percebido alguma coisa da gramática latina.
Ensinem nas escolas noções básicas de gramática. Expliquem aos alunos o que são sujeitos, predicados, complementos directos, indirectos, circunstanciais, etc. Ensinem a aplicar correctamente a pontuação. Usem o bom senso, e os resultados em português serão melhores!

segunda-feira, janeiro 01, 2007

Começando 2007

Photobucket - Video and Image Hosting

Adeus a 2006

Pondo em ordem a casa

1) Escolher um template: só podia ser este, claro!

2) Arranjar a barra da direita: mudar o que vem de origem e reduzir ao mínimo. Sem links, porque não tenho tempo nem pachorra para isso, como a lista vergonhosamente desactualizada do "Um pouco mais de azul" bem demonstra.

3) O lema do blog é diferente do anterior. Antes, era "O meu blog. Porque me apetece". Agora, é "O meu blog. Quando me apetece". Não prometo a menor assiduidade na escrita: vai ser mesmo quando me der na veneta, ao sabor do pouco tempo de que disponho para estas lides.

Receita de ano novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade