terça-feira, fevereiro 27, 2007

Desoras e aniversários

Continuando o post anterior: há coisas que só como coruja fazia. Por exemplo, escrever no blog. Suspeito que, se fizesse um estudo estatístico das horas a que já postei, o serão e a madrugada ganhariam com larga vantagem. Aliás, o meu primeiro post foi escrito a desoras, mais precisamente às 2h53. No dia 18 de Fevereiro de 2004, fez há dias três anos sem que eu desse por ela - assim ando eu, tão pouco atenta ao mundo blogosférico que esqueço uma data muito mais marcante do que alguma vez eu poderia ter pensado quando me apeteceu ter um blog.
A todos quantos tiveram a pachorra de me aturar ao longo de todo este tempo, e que continuam a vir aqui espreitar apesar do pouco que escrevo agora, muito obrigada!

7 comentários:

Leonel Vicente disse...

Parabéns... atrasados!

A "Memória" já não é o que era ;)

Dulce disse...

É um prazer "espreitar-te"...

Noite disse...

Tenho saudades dos tempos em que postavas mais, davas outro humor às minhas manhãs de estudo.
O teu foi dos primeiros blogs que conheci e comecei a acompanhar.
Bjs.*

PARTILHAS disse...

Parabéns...
A todos nós...
Que fazemos e mantemos estes espaços...
Beijos

Zu disse...

Obrigada pelas vossas palavras, Leonel, Dulce, Noite, Partilhas :-) Também tenho algumas saudades do tempo em que escrevia aqui com regularidade - afinal, foi esse o tempo que conduziu à criação de laços que me são tão caros! Mas esse tempo findou, de facto. E, mesmo que a vontade/necessidade de escrever permanecesse, não tenho disponibilidade!
(Comentário escrito com um olho aberto e outro fechado no único bocadinho em que pude aceder à net durante o dia de hoje - ou seja, de ontem. Ou, dito por outras palavras, o único bocadinho em que me sentei e tive tempo de respirar fundo!)

Anónimo disse...

Foi por causa do teu blog que eu me comecei a interessar pela blogosfera. Lembras-te de um blog paranóico pelas doenças? Era, não era? Enfim, horas divertidas.
Sara.

PARTILHAS disse...

Mas, o que resultou desse tempo, em que escrevias tantas vezes sobre a famosa tese... foram precisamente estes laços... Que se mantêm! Os que se criaram de facto... ficam para sempre...

Mais beijos
:-)